O Instituto Internacional de Finanças (IIF) cortou nesta terça-feira (26) a previsão para o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil neste ano, de contração de 4,1% na projeção anterior para retração de 6,9% na atual.

No relatório, a instituição explica que a crise terá efeitos duradouros para o país. “A recuperação da recessão 2015-16 foi lenta e muito incompleta”, diz o estudo.

A revisão para a economia brasileira contribuiu para novo corte nas estimativas para o PIB da América Latina, que deve recuar 7,5% neste ano, frente à previsão de anterior de queda de 4,5%.

“Embora a estabilização das condições financeiras seja positiva para as perspectivas na América Latina, o impacto sobre a atividade real no primeiro trimestre foi mais profundo do que esperávamos e os indicadores de sentimento devem permanecer deprimidos no segundo trimestre”, explica o documento.

Segundo o IIF, a crise na região é notável pela velocidade, com um único trimestre custando cerca de 10% da produção total.

O instituto destaca que, em 2008, a recuperação foi rápida, sustentada por estímulos de Pequim. “Desta vez, o apoio político da China é moderado, como foi durante guerra tarifária de 2019. Isso é compatível com uma recuperação moderada na América Latina no segundo semestre do ano, supondo que a propagação do vírus esteja contida globalmente”, ressalta o relatório.

*Com Estadão Conteúdo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui