O prefeito de Mauá, Átila Jacomussi, foi alvo de uma operação deflagrada nesta segunda-feira (15) pela Procuradoria-Geral de Justiça de São Paulo para apurar desvios de verba na gestão de um hospital de campanha na cidade.

Segundo o Ministério Público de São Paulo, há indícios de crimes de falsidade ideológica e lavagem de dinheiro na contratação da empresa Atlantic – Transparência e Apoio à Saúde Pública para a operação do hospital. A organização foi contratada por 90 dias pelo valor de R$ 3,3 milhões.

O MP argumenta que “a Atlantic ao tempo da contratação tinha seu quadro diretor e administrativo interpostas pessoas desvinculadas da área da saúde”, de acordo com nota oficial.

A operação desta segunda-feira cumpriu mandatos de busca e apreensão em endereços em São Paulo, Barueri, Jundiaí e Mauá. Além de Jacomussi, também são alvos o secretário de saúde de Mauá, Luis Carlos Casarin, Gilberto Alves Pontes Belo e Jéssica Alves Pontes Belo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui