CPI investigava suposto recebimento de propina quando Emanuel Pinheiro era deputado estadual. Câmara Municipal de Cuiabá
Câmara de Cuiabá/ Assessoria
O pedido de afastamento por 180 dias e abertura de Comissão Processante contra o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) foi reprovado e arquivado pela Câmara de Cuiabá durante votação realizada nesta terça-feira (29). Com isso, o prefeito continua no cargo.
A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) havia sido instaurada para investigar um suposto recebimento de propina quando Emanuel era deputado estadual.
Foram 15 votos contrários ao afastamento do prefeito por 180 dias e à abertura de uma comissão processante para avaliar a cassação do atual mandato, contra 8 votos favoráveis.
O relatório da CPI já havia sido julgado pela primeira vez no dia 16 de julho e arquivado por 13 votos a 9.
A convocação da sessão desta terça-feira foi feita pelo presidente da Câmara, vereador Misael Galvão (PTB), durante encerramento da sessão ordinária da última quinta-feira (24).
O suposto recebimento de propina foi denunciado pelo ex-governador Silval Barbosa durante delação premiada. Ele contou que 10 ex-deputados estaduais de Mato Grosso foram gravados pelo seu ex-chefe de gabinete, Silvio Correa, recebendo mensalinho durante seu governo, nos anos de 2012 e 2013, para garantir a governabilidade, não prejudicar os interesses do governo e aprovar as contas do Executivo estadual na Assembleia Legislativa .