Marco Aurélio Cotta, de 65 anos, morreu neste sábado, em Belo Horizonte, vítima de intoxicação por cerveja da Backer. A informação foi confirmada por sua filha, Ângela Cotta. Ele estava internado desde dezembro de 2019. A morte de Faria é a 10ª associada ao consumo de produtos da cervejaria mineira, alvo de um inquérito policial que, no mês passado, resultou no indiciamento de 11 funcionários da companhia por homicídio, lesão culposa (sem a intenção de matar) e contaminação de produtos alimentícios.

Segundo a Polícia Civil mineira, diversos lotes de diferentes marcas de cerveja produzidas pela Backer foram contaminadas por duas substâncias tóxicas usadas em sistemas de refrigeração devido a suas propriedades anticongelantes: o monoetilenoglicol e o dietilenoglicol. Ao longo de cinco meses de investigação, os peritos encontraram vazamentos em equipamentos por onde as substâncias entraram em contato com a cerveja.

Ao concluir o inquérito e indiciar os 11 funcionários da companhia, a Polícia Civil contabilizava 29 vítimas intoxicadas pelas mesmas substâncias tóxicas encontradas na cerveja, além de sete mortes (uma oitava estava, então, sendo investigada) e dezenas de casos em análise.