A temperatura continua alta na região e a previsão é de que possa chegar até 41°C, segundo o Climatempo. Com o calor e a baixa umidade relativa do ar, a preocupação dos bombeiros é de que os focos continuem aumentando. Chuva cai em áreas isoladas no Pantanal, mas combate ao fogo continua
Após dois meses de combates às queimadas no Pantanal mato-grossense, choveu nessa segunda-feira (28) em Poconé, município a 104 km da capital e que concentra os maiores focos de incêndios. No entanto, as chuvas não foram suficientes para acabar com esses focos e os bombeiros continuam atuando no local, combatendo o fogo.
A temperatura continua alta na região e a previsão é de que possa chegar até 41°C, segundo o Climatempo. Com o calor e a baixa umidade relativa do ar, a preocupação dos bombeiros é de que os focos continuem aumentando.
O fogo já atingiu 39% do Pantanal em Mato Grosso, mais de onze vezes as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro juntas.
Os dados são do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA) Prevfogo em parceria com o Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais (LASA/UFRJ) e mostram o avanço do fogo.
Nesta semana, a Marinha se uniu aos voluntários para lançar de helicóptero, meia tonelada de legumes e verduras para os animais. O problema é que as chamas, em alguns pontos, também destruíram esses alimentos.
O Pantanal todo (Mato Grosso e Mato Grosso do Sul) teve 23% do bioma devastado. Isso representa uma área de 3,4 milhões de hectares.
Fotógrafo Araquém Alcântara registra fuga de animais e a destruição das queimadas no Pantanal.
Araquém Alcântara/Divulgação
Um outro problema que começou a aparecer em consequência das queimadas é a falta de água para os ribeirinhos.
Segundo os especialistas, até mesmo as sementes que poderiam repor a vegetação destruída foram queimadas.