Mais de 200 mil pessoas que não se enquadram nos requisitos para o programa de Auxílio Emergencial foram cadastradas e autorizadas a receber o benefício. De acordo com o governo, uma parte teve os dados usados de forma fraudulenta para fazer a solicitação.

Para verificar CPFs usados para solicitar o benefício, basta acessar o site do ministério da Cidadania e da Dataprev.

Para quem não fez o pedido, o resultado da busca deve ser “requerimento não encontrado”. Se aparecer a mensagem “em processamento”, “aprovado”, “não aprovado”, “requerimento retido” ou “dados inconclusivos”, o documento foi usado para solicitar auxílio emergencial.

O ministério da Cidadania recebe denúncias de fraude nos telefones 121 e 0800 707 2003 ou no site Fala BR. A pasta também disponibiliza meios eletrônicos para a devolução do recurso aos cofres públicos.

É preciso acessar o devolução auxilio emergencial.cidadania.gov.br e informar o CPF. O site vai gerar uma Guia de Recolhimento da União, que pode ser paga em qualquer banco, inclusive pelo internet banking.

Quem é elegível para receber o benefício também pode sofrer fraudes. O governo e a Caixa Econômica Federal reforçam que único contato é através do site oficial da Caixa ou pelos aplicativos Caixa Tem e Caixa Auxílio Emergencial. Os apps devem ter sido criados pela própria Caixa, e baixados diretamente nas lojas de aplicativos do celular.

Emails, WhatsApps, SMS e ligações em nome da Caixa ou de algum órgão do governo sobre o auxílio devem ser ignorados e, principalmente links enviados com esses métodos. Ao clicar em alguns deles, o computador, celular ou outro dispositivo fica vulnerável a invasões e roubo de dados.

*Com informações da repórter Nanny Cox

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui