O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, ameaçou nesta segunda-feira (8) substituir o secretário municipal de Transportes, Edson Caram, se ele não resolver até sexta-feira, junto às empresas de ônibus, o problema dos carros lotados.

Em coletiva ao lado governador, João Doria, ele reclamou que o secretário havia garantido que nesta semana não haveria passageiro em pé. “Na sexta-feira, quando as concessionárias e escritórios puderam ser reabertos, tivemos 1,206 milhão de pessoas no transporte público municipal que não é muito diferente do que havíamos observado nas últimas quatro semanas. […] Hoje pela manhã o número que a gente tem é que 5% das linhas tinham passageiros em pé. O secretário tem até sexta-feira para conseguir fazer isso. Se até sexta-feira ele não conseguir, a partir da segunda-feira é outro secretário que vai fazer isso”, afirmou Covas.

A meta da Prefeitura é fazer com que os ônibus circulem apenas com a capacidade de passageiros sentados.

Segurança nos transportes

A falta de condições de distanciamento no transporte público tem sido usada por adversários do prefeito para questionar as ações de Covas na retomada das atividades econômicas. Eles questionam como a Prefeitura pode fazer exigências duras aos setores que querem reabrir, como a realização de testes em funcionários, se não garante condições nas linhas de ônibus.

Na coletiva, Covas anunciou a reabertura da primeira unidade do Descomplica na cidade desde o início da pandemia. Segundo o prefeito, depois da reabertura do Descomplica do Campo Limpo, realizada hoje, outras unidades voltarão a funcionar desde que cumpram exigências sanitárias como capacidade de atendimento de no máximo 20%, limite de quatro horas diárias, rodízio de funcionários, higienização frequente dos equipamentos, realização de testes em todos os funcionários e uso de termômetros para aferir a temperatura dos usuários.

* Com informações do Estadão Conteúdo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui