Para pacientes que estão em aparelhos respiradores, o risco de morte cai de 40% para 28%. Entre os que recebem oxigênio, chance de morrer se reduz de 25% para 20%. Para pacientes leves não houve constatação de melhora. Droga identificada em estudo britânico reduz mortes de pacientes já intubados. Para pacientes leves não foi encontrado benefício.
Christiano Antonucci
Pesquisadores britânicos anunciaram nesta terça-feira (16) dados preliminares de um estudo que identifica um medicamento barato e amplamente disponível que pode ajudar na recuperação de pacientes gravemente doentes com coronavírus. Trata-se de um tipo específico de corticóide comum.
“Os resultados preliminares do estudo Recovery são muito claros — o remédio reduz o risco de morte em pacientes com complicações respiratórias graves. A Covid-19 é uma doença global — é fantástico que o primeiro tratamento que demonstradamente reduz a mortalidade esteja instantaneamente disponível em todo o mundo”, afirmou Martin Landray, professor de medicina e epidemiologia do Departamento de Saúde da População da Universidade de Oxford, um dos líderes do estudo.
Os resultados completos serão tornados públicos brevemente, de acordo com os cientistas. O estudo foi feito com mais de 2.000 pacientes que receberam o medicamento, e foram comparados a 4.300 que receberam os cuidados de praxe.
Para os pacientes que estão em aparelhos respiradores, o risco de morte cai de 40% para 28%. Entre os que recebem oxigênio, a chance de morrer se reduziu de 25% para 20%. Para pacientes mais leves não houve constatação de melhora.
Os pesquisadores estimam que se a droga tivesse sido administrada a pacientes com Covid-19 no Reino Unido desde o começo da pandemia, até 5.000 vidas teriam sido salvas.
“É um resultado muito bem-vindo”, disse outro líder do estudo, Peter Horby, da Universidade de Oxford. “O benefício para sobrevivência é claro e alto em pacientes que estão doentes a ponto de terem que receber tratamento com oxigênio, então esse deve ser o padrão de cuidado nesses pacientes”, afirmou.
O estudo que identificou esse medicamento foi feito com outros remédios e, no início deste mês, mostrou que a hidroxicloroquina, um medicamento contra a malária, não apresenta benefícios contra o coronavírus.
Por ser barato, o remédio agora identificado também pode ser de benefício em países pobres que têm um grande número de pacientes com Covid-19.
Só para paciente grave
Atualmente, no Reino Unido, cerca de 19 de 20 pacientes com coronavírus se recuperam sem serem internados em hospital, segundo dados da BBC. Dos que são internados, a maioria também se recupera, mas alguns podem precisar de oxigênio ou ventilação mecânica. Estes são os pacientes de alto risco que o medicamento anunciado parece ajudar.
O remédio já é usado para reduzir inflamações em várias outras doenças. Aparentemente ele também ajuda a interromper os danos que podem ocorrer quando o sistema imunológico entra em ação enquanto tenta derrotar o coronavírus. A reação por vezes exagerada do corpo, que termina, em muitos casos, sendo fatal, é chamada de tempestade de citocina.
Até então, o outro remédio que havia trazido resultados positivos contra a Covid-19 era o antiviral remdesivir, que parece reduzir o tempo de tratamento. O corticoide agora citado pelos britânicos é o primeiro a reduzir a mortalidade nos casos graves.
Initial plugin text

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui