Queimadas no bioma duram mais de dois meses. Nas últimas semana ocorreram chuvas isoladas, que não foram suficientes para conter as chamas. Incêndio no Pantanal devasta vegetação
JN
Os incêndios no Pantanal mato-grossense já devastaram mais de 2,5 milhões de hectares, sendo 311 mil somente nas últimas duas semanas, o que representa 17,8% da área total queimada. Os dados são do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA) Prevfogo em parceria com o Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais (LASA/UFRJ)
As queimadas no bioma duram mais de dois meses. Nas últimas semana ocorreram chuvas isoladas, que não foram suficientes para conter as chamas.
Segundo o Corpo de Bombeiros, a umidade ajuda o combate ao fogo. No entanto, as temperaturas altas têm prejudicado o trabalho.
Fumaça sobe de incêndio no Pantanal em Poconé, Mato Grosso, no dia 27 de agosto
Amanda Perobelli/Reuters
Nesta terça-feira (29), a temperatura deve ficar em cerca de 40°C graus e a preocupação é que o fogo retorne com força.
Equipes de vigilância e atenção especial estão monitorando pontos estratégicos do Pantanal para evitar que o fogo avance..
Agora, os focos ativos estão na região sul da estrada transpantaneira, em Porto Jofre.
Sebastião Baldi Silva Junior, de 40 anos, tenta apagar um incêndio em uma fazenda no Pantanal, a maior área úmida do mundo, em Poconé (MT)
Amanda Perobelli/Reuters
Desde janeiro, o Inpe registrou 17 mil e 491 focos de calor no pantanal.
Os números são maiores do que todo o ano de 2019, que registrou 10.025 focos. Um aumento de 74%.
De acordo com o governo de Mato Grosso, já foram mais de R$ 22 milhões gastos para o enfrentamento dos incêndios no bioma, com o uso de 40 equipes espalhadas por todo o estado para o combate ao fogo, sete aeronaves, três helicópteros e mais de 2.500 profissionais envolvidos, desde bombeiros militares, voluntários, integrantes da Defesa Civil e do Exército.
O governo já aplicou mais de R$ 190 milhões em multas por uso irregular do fogo e tem endurecido contra os criminosos, sendo que as multas estão sendo levadas para os órgãos de proteção ao crédito, como SPC e Serasa, além das implicações criminais.
Initial plugin text