Pantanal já registra o número mensal mais alto de focos de incêndio desde o início da série histórica do Inpe. Ministro Ricardo Salles em foto do dia 9 de outubro de 2019
Adriano Machado/Reuters
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, deve fazer uma visita técnica nesta quinta-feira (24) nas áreas afetadas pelos incêndios no Pantanal em Mato Grosso. Segundo a assessoria do Ministério do Meio Ambiente, Salles deve ir de avião até o Pantanal. O governo não divulgou o local onde ele fará a visita.
Fogo queima árvores e vegetação no Pantanal em Poconé, Mato Grosso, no dia 30 de agosto.
Amanda Perobelli/Reuters
O Pantanal já registra o número mensal mais alto de focos de incêndio desde o início da série histórica do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em 1998: foram 6.048 pontos de queimadas registrados no bioma desde o dia 1º de setembro até quarta-feira (23), o dado mais recente.
FOTOS: Rodovia Transpantaneira antes e depois dos incêndios no Pantanal
Setembro já é o mês com o maior número de focos de incêndio no Pantanal
O recorde mensal anterior era de agosto de 2005, quando houve 5.993 focos de incêndio no bioma.
Em comparação a 2019, quando setembro teve 2.887 focos detectados em 30 dias, o mesmo mês de 2020 já apresenta uma alta de 109%. O número de focos neste mês está 211% acima da média histórica do Inpe para setembro, que é de 1.944 pontos de incêndio.
Imagem que mostra devastação em Pantanal teve mais de 160 mil reações no Facebook nos últimos dias
GUSTAVO FIGUEIRÔA/SOS PANTANAL
O fogo já destruiu 85% do Parque Estadual Encontro das Águas, refúgio das onças pintas-pintadas. Dados do Inpe também apontam que, até 31 de agosto, havia uma perda de 12% do bioma neste ano – foram 18,6 km². Esse levantamento é divulgado mensalmente.