O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro comparou o presidente Jair Bolsonaro ao Partido dos Trabalhadores (PT).  De acordo com o ex-juiz federal, o chefe do Executivo nega a gravidade da pandemia do coronavírus, assim como o PT não admite que tenha existido corrupção durante os governos do partido.

Moro deixou o ministério há dois meses, depois de acusar Bolsonaro de tentar interferir na Polícia Federal. Ele deu a declaração nesta terça-feira, em uma videoconferência do jornal Valor Econômico.

O ex-ministro também se queixou de não ter tido apoio dentro do governo para as ações de combate à corrupção. Para ele, o presidente Jair Bolsonaro tem a oportunidade agora de indicar um nome comprometido com essa pauta para o Supremo Tribunal Federal.

Questionado sobre se tem intenção de sair candidato em 2022, o ex-ministro disse que o momento não é de pensar em eleição, mas sim na pandemia. Moro diz a única coisa que tem definida é que quer continuar contribuindo para o debate público.

O ex-ministro disse que advogar pode ser uma opção daqui seis meses, como determinou a Comissão de Ética da presidência da República. No início do mês, o colegiado deu o prazo para que Sergio Moro voltasse a trabalhar.

*Com informações da repórter Nicole Fusco