A ação foi filmada pelo grupo. Eles riam e chacoalhavam a cabeça da vítima, que passou mal no bar, localizado no Bairro Alvorada, em Cuiabá. Vídeo mostra o momento que o grupo induziu o jovem a ingerir a bebida
Reprodução
Três pessoas foram denunciadas à Justiça pelo Ministério Público Estadual (MPE) nessa segunda-feira (21) pela morte de um jovem com esquizofrenia, obrigado a tomar cinco garrafas de pinga. A ação foi filmada pelo grupo. Eles riam e chacoalhavam a cabeça da vítima, que passou mal no bar, localizado no Bairro Alvorada, em Cuiabá.
Foram denunciados Victor da Silva Gama, de 26 anos, Augusto Matsubara, de 27 anos, e Fabiane Souza Carvalho, de 22 anos.
De acordo com a denúncia, Jonatas Lira Xavier, de 27 anos, era conhecido como “Indinho” e sofria de doença mental incapacitante (esquizofrenia), sempre fazendo uso de remédios controlados.
OAB-MT diz que vê indícios de ‘crime de homicídio’
A vítima passava o dia como andarilha na região da rodoviária de Cuiabá, pedindo dinheiro e cigarros aos comerciantes e pessoas que passavam pelo local, sempre de forma pacífica e sem gerar perturbações com sua conduta.
Jovem morre por coma alcoólico após ser induzido por grupo de jovens
Na noite de 8 de agosto de 2020, Victor, Augusto e Fabiane, além de uma adolescente, foram até um bar, quando Jonatas, que estava descalço e vestia apenas uma bermuda se dirigiu ao grupo e pediu dinheiro.
Os jovens disseram que o dinheiro seria entregue caso Jonatas ingerisse bebida alcoólica. O rapaz tomou cinco garrafas de pinga e acabou sofrendo um coma alcoólico.
Segundo o MP, como consequência da conduta criminosa, a vítima deu sinais de que estava passando mal, fato que foi absolutamente desconsiderado pelos denunciandos e a pela adolescente, que deixaram o local sem prestar qualquer auxílio à vítima incapaz.
Jonatas Lira Xavier foi socorrido pelo Samu já no período da manhã e levado ao Hospital e Pronto Socorro Municipal de Cuiabá, no entanto seu quadro clínico se agravou, de modo que teve paradas cardíacas e faleceu no dia 11 de agosto em razão de insuficiência renal aguda pós intoxicação exógena.
À época, a família de Jonatas disse à polícia que por causa da esquizofrenia, ele tomava cerca de 11 comprimidos diariamente.
No hospital, o rapaz foi entubado. Foi constatado que ele estava em coma alcoólico. No dia 11, Jonatas sofreu três paradas cardíacas e não resistiu.
A família relatou que a vítima desenvolveu esquizofrenia por uso de drogas, mas que atualmente Jonatas não era mais dependente químico e tomava remédio controlado por causa do problema de saúde.