Policiais civis da Gerência Estadual de Polinter e Capturas (Gepol) receberam a ordem judicial referente à prisão de Weber Melquis Venandes de Oliveira, de 30 anos. Weber Melquis Venandes de Oliveira foi condenado pelo crime em novembro de 2015
TVCA/Reprodução
O pizzaiolo Weber Melquis Venandes de Oliveira, de 30 anos, condenado a 17 anos de prisão por matar e queimar o corpo da jovem Katsuê Stéfane Santos Vieira, de 23 anos, em fevereiro de 2012, foi preso novamente nessa terça-feira (28), em Cuiabá.
Policiais civis da Gerência Estadual de Polinter e Capturas (Gepol) receberam a ordem judicial referente à prisão de Weber.
No dia 24 deste mês, ele foi preso em flagrante suspeito de ameaçar a atual mulher dele e de ter agredido quatro pessoas em um hospital na capital. A mulher dele afirmou à PM que ele tem ciúmes e confirmou que havia ameaçado o colega dela.
Ele foi localizado pela equipe policial em uma rua do bairro Jardim Independência, também em Cuiabá.
O mandado de prisão foi expedido pela 2ª Vara Criminal de Cuiabá. Ele foi encaminhado à sede da Polinter para formalização da ordem judicial e depois foi enviado a uma unidade do Sistema Penitenciário da região metropolitana.
Weber estava solto desde 2017 quando passou a usar tornozeleira eletrônica.
O crime
Katsuê foi morta a facadas e depois teve o corpo queimado no forno da pizzaria de propriedade do pai de Weber, no Bairro Barbado, na capital. Ela havia conhecido o pizzaiolo em uma boate, no Bairro Alvorada. Conforme a denúncia do Ministério Público Estadual (MPE), ambos teriam usado droga e consumido bebida alcoólica na companhia de outras jovens que se encontravam no local.
Ainda segundo o MPE, por volta de 5h, Weber e Katsue teriam deixado o local para comprarem mais droga e a jovem não foi mais vista. Durante o julgamento, Weber afirmou que quando conheceu a jovem sentiu vontade de matá-la e que, por isso, a chamou para usar drogas na pizzaria do pai dele. A vítima deixou dois filhos.
Na pizzaria onde trabalhava e onde o crime foi cometido, o rapaz teria se armado com uma faca e desferido três golpes contra a vítima, acetando a região do pescoço, o que fez com que a jovem “sangrasse profusamente, chegando a manchar diversas partes da pizzaria”. Na sequência, o réu queimou o corpo da jovem no forno e limpou o local, saindo em seguida.
“Após a vítima perder os sentidos, o denunciado atirou seu corpo no forma da pizzaria e acendeu o fogo. Enquanto Katsue queimava, num ato de extrema lucidez, o denunciado lavou o estabelecimento, demonstrando a sua intenção de não somente impossibilitar a identificação da vítima, como também, de apagar os vestígios do homicídio por ele praticado”, diz trecho da denúncia
Durante o julgamento, Weber confessou ter empurrado a vítima com uma pá para dentro do forno, colocado mais lenha e ligado o forno. Ele disse que fechou a porta do forno e, enquanto o corpo queimava, tentou lavar o chão, jogando o sangue para debaixo da porta, em direção à calçada – fato este que chamou a atenção de vizinhos, que acionaram a polícia.