Dieynne Saugo ficou internada no Hospital Albert Einstein desde 4 de setembro, quando foi transferida em estado grave do Mato Grosso, após ser atacada por uma cobra durante mergulho em uma cachoeira. Médica Dieynne Saugo
Instagram/Reprodução
A médica Dieynne Saugo, de 33 anos, que foi picada por uma cobra jararaca quando tomava banho em uma cachoeira de Nobres, a 151 km de Cuiabá, disse, em entrevista ao Encontro com Fátima, que pretende voltar a frequentar as cachoeiras mesmo após o episódio.
Ela teve alta na última sexta-feira (18) do Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Ela se disse agradecida por ter conseguido se recuperar tanto dos ferimentos do ataque da cobra, quanto do quadro de Covid-19 que ela adquiriu durante a recuperação.
“Foi um grande aprendizado. Reaprendi a falar e a andar. Eu pretendo voltar nas cachoeiras”, declarou a médica.
Dieynne Saugo foi internada na UTI após ser picada por cobra
Instagram/Reprodução
Ao ser picada pela cobra nas regiões do rosto e do pescoço, a médica teve comprometimento da respiração devido ao inchaço e precisou de transfusão de sangue e também da traqueostomia para desobstruir as vias aéreas, que estavam comprometidas em 70%.
Dieynne foi picada pela cobra no dia 30 de agosto e esperou pelo soro por quatro horas. Ela ficou internada em estado grave por uma semana e foi transferida para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo, no dia 4 de setembro. No hospital da capital paulista, ela foi submetida a um teste de coronavírus, e o resultado foi positivo para a Covid-19.
Relembre o caso
Dieynne tomava banho com amigos na Cachoeira Serra Azul, em Nobres, durante um passeio no domingo (30), quando a cobra despencou com a queda d’água da cachoeira e atingiu a vítima. Ela foi picada duas vezes, no rosto e no pescoço.
No momento em que ocorreu o incidente, uma amiga gravava um vídeo no local e acabou registrando quando ela se assusta com o animal e grita ao ser picada (assista acima).
Ela deu entrada no Hospital Municipal de Cuiabá (HMC) vomitando sangue e com edemas. Após receber o soro antiofídico, ela foi encaminhada ao Complexo Hospitalar de Cuiabá — posteriormente, a família optou pela transferência para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo.
O local em que ocorreu o incidente fica a mais de 150 km do hospital. Foram cerca de 3 horas até chegar até a unidade de saúde para a aplicação do soro.
Em nota, o Parque Sesc Serra Azul, responsável pela atração turística, informou que a equipe de saúde da pousada foi chamada imediatamente, deu todas as orientações e está acompanhando o caso desde então.