Proposta é disponibilizar R$ 50 milhões para crédito para microempresários individuais, microempresas, e empresas ligadas ao turismo, hotéis, pousadas, bares e restaurantes. Assembleia vota crédito para pequenos e microempresários de MT
A Assembleia Legislativa e o governo do estado criaram um fundo para auxiliar microempresários no período da pandemia do novo coronavírus. A proposta é disponibilizar R$ 50 milhões para crédito emergencial às empresas. Os recursos seriam oriundos da própria Assembleia, do governo do estado e de parceiros como o Poder Judiciário.
A pandemia do novo coronavírus já fez com que 1 milhão de brasileiros perdessem o emprego só em maio, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A crise econômica afetou todo o comércio e 11 mil indústrias do estado
O deputado estadual Carlos Avalone (PSDB) explica o funcionamento do fundo de crédito.
“A Assembleia foi o primeiro poder que movimentou R$ 30 milhões e a Mesa Diretora está disposta a colocar mais R$ 10 milhões ou R$ 15 milhões em um fundo garantidor para atender os pequenos e médicos comerciantes. Esse fundo já acontece em outros estados como Minas Gerais. Estamos trazendo essa ideia pra cá e deveremos aprovar, assim que o governo do estado nos encaminhar. Já existe um decreto na Casa Civil que deverá ser aprovado nos próximos dias que está reestruturando a Desenvolve MT. Ela já criou com a sua equipe uma plataforma online que já tem 4 mil inscritos pedindo crédito, e esse fundo vai facilitar o acesso”, afirma.
Veja as últimas notícias sobre o novo coronavírus em MT
Para muitos micro e pequenos empreendedores, a principal dificuldade está no acesso aos financiamentos e linhas de créditos. Com o fundo voltado para o comércio, a expectativa é de que tudo seja feito sem muita burocracia, com facilidades para que as empresas retomem as atividades.
O presidente da Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso (Fiemt) comenta que não pode haver muita burocracia para a aprovação do auxílio, se não o empresário desiste.
“Dois a três anos de prazo de pagamento no mínimo pra que esse microempreendedor possa ter tempo para recompor suas finanças e acesso simplificado. Não pode ter muita burocracia. Tem que ser a comprovação de renda, os documentos pessoas e o acesso ao crédito, porque se a gente ficar sofisticando demais essas exigências, o empresário desiste antes de tentar”, afirma.
Os recursos serão oferecidos para microempresários individuais, microempresas, empresas ligadas ao turismo, hotéis, pousadas, bares e restaurantes.
Para passar a valer mesmo, ainda precisa de aprovação da Assembleia Legislativa.
Segundo a Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt), o fundo prevê que o dinheiro chegue mais rápido com juros mais baixos e maior prazo para o pagamento.
“O micro e pequeno empresário precisa de apoio para poder suportar o momento de pandemia e a grande vantagem desse projeto é que ele oferece recurso de maneira desburocratizada pra uma grande maioria de empreendedores, que com pouco recurso, colocam seu negócio para girar novamente”, afirma.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui