Os dados são da entrevista coletiva de Denis Furtado na delegacia e o depoimento do taxista e as informações da direção do hospital Barra D’or para onde Lilian Calixto foi levada na noite de sábado. Dr. Bumbum e a mãe estão presos em Benfica desde a tarde desta sexta-feira. Depoimento de médico contradiz hospital sobre morte de bancária
O RJ2 listou as cinco contradições entre os documentos oficiais da investigação da polícia (depoimento do hospital e do taxista) sobre a morte da bancária Lilian Calixto e as declarações que o médico Denis Furtado, o Dr. Bumbum, fez nesta quinta-feira (19) durante entrevista coletiva aos jornalistas na 16ª DP, na Barra da Tijuca, nesta quinta-feira (19) após a prisão.
1 – Denis diz que o procedimento estético na bancária é realizado por volta das 18h e 19h de sábado (14). No depoimento na delegacia, o taxista, que esperou por Lilian no condomínio onde o médico mora, disse que por volta do mesmo horário ( às 18h27) a bancária mandou uma mensagem dizendo que a intervenção ainda não tinha começado. Segundo ele, às 21h06, ela mandou a última mensagem dizendo que demoraria mais uma hora e meia.
2 – o médico disse na entrevista que só no fim da noite Lilian disse que se sentia mal. Segundo ele, ela estava estável e não tinha dor. Ele contou que falou para ela “olha, é uma baixa de pressão”. Ele explicou que seguiu avaliando a paciente e por volta das 23h30 disse que ela teve uma queda de pressão leve. No entanto, a nota do hospital informou que a paciente deu entrada na emergência, às 23h de sábado e com um quadro extremamente grave. A diretora do hospital disse que a paciente apresentava sinais de taquicardia, dificuldade para respirar, pele azulada, que é sintoma de falta de oxigenação do sangue. Ela também suava muito. Ainda segundo a diretora, o exame inicial detectou taquicardia e pressão baixa. De acordo com o documento, a hipótese inicial foi de embolia pulmonar devido à aplicação do silicone.
3 – o médico disse na entrevista que saiu do hospital às 23h30 e que ficou lá até 01h30 de domingo. Mas o taxista disse que foi dispensado por Denis à 00h24.
4 – Denis Furtado nega que tenha encontrado o taxista para pagar dinheiro da corrida e da espera. Ele disse que quem fez o pagamento foi a empregada dele. No depoimento para a polícia, o taxista afirmou que foi o médico quem pagou os R$ 300 e ainda disse que Lilian estava bem.
5 – segundo o médico, Lilian morreu às 3h da madrugada. O boletim médico do hospital diz que a bancária morreu à 01h12 de domingo. O boletim diz que Lilian chegou lúcida e contou que tinha sido submetida a um implante de cerca de 300 ml de siliconte em ambos os glúteos.
O médico e mãe estão presos desde a tarde desta sexta-feira (20) na Cadeia de Benfica, na Zona Norte do Rio. Na noite desta quinta, os dois prestaram depoimento e depois foram dormir em celas separadas na delegacia da Barra da Tijuca. De madrugada eles tiveram uma crise d de hipertensão e foram atendidos pelo médico.
No depoimento que o médico prestou à noite ele disse que injetou 300 ml da substância polimetilmetacrilato 30% nos glúteos da paciente ( 150 ml m cada um ).
Na manhã desta sexta, o médico foi ouvido mais uma vez pelos investigadores. O depoimento durou quase três horas e além de aprofundar os fatos sobre o que aconteceu durante a intervenção estética em Lilian Calixto, os policiais querem descobrir detalhes sobre os homicídios que constam na ficha criminal de Denis e Maria de Fátima desde a década de 90.
No novo depoimento o médico disse que não sabia que era preciso ter registro profissional no Rio para fazer atendimentos esporádicos.
Initial plugin text

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui